Matérias em Destaque

25 Importantes táticas de marketing.

Ver Matéria

Áreas contaminadas

Ver Matéria

Como vender bem seu peixe.

Ver Matéria

Comunicação Visual para atrair e fidelizar clientes do Posto

Ver Matéria

Cuidados que você deve tomar na hora de comprar ou alugar um posto.

Ver Matéria

Diesel S50. Vale a pena investir?

Ver Matéria

Evite os erros que algumas grandes redes cometeram com suas franquias.

Ver Matéria

Logística reversa de embalagens de Lubrificantes

Ver Matéria

Lojas de conveniência aquecem o mercado de franquias.

Ver Matéria

Mistura de etanol na gasolina aumenta de 20% para 25% .

Ver Matéria

Montadoras desaprovam aumento de etanol anidro na gasolina nacional.

Ver Matéria

Negócios para abrir em Postos de Gasolina ? Franquias

Ver Matéria

Nova distribuidora de combustíveis no Rio Grande do Sul.

Ver Matéria

O abre e fecha, fecha e abre de alguns postos envolvidos com adulteração de produtos.

Ver Matéria

Óleo certo orienta consumidor na hora da troca

Ver Matéria

Postos já vendem nova gasolina S-50, 94% menos poluente

Ver Matéria

Troca de óleo: Dicas e dúvidas mais frequentes.

Ver Matéria

Aumento do etanol na gasolina.

Home > Combustíveis > Últimas notícias. > Aumento do etanol na gasolina.

Pesquisas e testes foram acompanhados por fabricantes de carros e motos.
 
A mistura de 27% de etanol anidro na gasolina C, válida desde o último dia 16 de março em todo o País, foi resultado da alteração da legislação, no ano passado, com a publicação da Lei nº 13.033, em 25 de setembro de 2014, que condicionou o aumento da mistura à comprovação de sua viabilidade técnica.
 
A mudança somente foi concretizada após diversos testes - feitos a pedido do governo e também pelas entidades representantes dos fabricantes de carros, motos e autopeças, os quais apontaram a viabilidade técnica e ambiental da alteração.
 
Para avaliar se o aumento era viável, o Ministério de Minas e Energia (MME) solicitou à Petrobras que realizasse, em seu Centro de Pesquisas (Cenpes), a avaliação dos impactos decorrentes do aumento do teor de mistura de etanol anidro misturado à gasolina comercializada no País.
 
Para conduzir esse estudo e garantir transparência e participação direta dos entes interessados, um Grupo de Trabalho foi constituído para este fim. A equipe foi composta por:
 
  • Ministério de Minas e Energia;
  • Ministério da Agricultura;
  • Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior;
  • Representantes da Petrobras,
  • Representantes das associações dos fabricantes de veículos automotores e motociclos;
  • Representantes das associações dos importadores de veículos automotores e motociclos;
  • Representantes da associação dos produtores de etanol (UNICA); e
  • Inmetro; e
  • Instituto de Nacional de Tecnologia.
Para cumprimento da avaliação solicitada à Petrobras, os técnicos do Cenpes elaboraram um Plano de Trabalho que foi submetido ao GT, que aprovou seus termos.
 
Os testes e ensaios foram realizados no segundo semestre de 2014, e incluíram avaliação de quatro diferentes teores de mistura (22%, 25%, 27,5% e 30%, em volume), de etanol anidro combustível.
 
Estudos e amostra de veículos e motos
 
Os estudos avaliaram as variações em emissões; autonomia e desempenho (partida e dirigibilidade a frio e retomada de velocidade) em veículos e motocicletas; desempenho em motor em banco de provas; e ensaios analíticos de lubricidade e goma das misturas.
 
A amostra de veículos e motos selecionada para os testes foi pensada para representar a real frota que está em circulação no país. A escolha dos veículos foi submetida e aprovada pela Anfavea e a Abraciclo, e essas entidades ofereceram adicionalmente outros veículos para complementação dos resultados, que ensejaram a elaboração de um relatório complementar.
 
Os resultados dos testes realizados pelo Cenpes/Petrobras foram consolidados no relatório “Efeitos do E27,5 e do E30 em Veículos, Motocicleta e Motor à Gasolina”, entregue em 2 de outubro de 2014.
 

Posteriormente, este relatório foi complementado por dois documentos, um com a avaliação de outros quatro veículos cedidos pela Anfavea e, outro, com a avaliação em dois motociclos de fabricante diferente daquele testado anteriormente.

Os relatórios, em anexo, que integram a avaliação do Cenpes sobre a questão são:

Além dos testes realizados pela Petrobras, também foram consultados os fabricantes de autopeças. A pedido das entidades fabricantes de carros e motos, o Grupo de Trabalho encaminhou ao Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças) questionamentos específicos para assegurar a garantia dos componentes em contato com o combustível.
 
 
No dia 1º de outubro de 2014, o Sindipeças encaminhou resposta aos questionamentos, informando que  “Foi avaliado que o (...) desgaste prematuro que em teoria seria previsto, na prática se tornará desprezível e não perceptível ao usuário final, devido à pequena alteração do teor de etanol anidro em questão, desde que a qualidade do combustível atenda aos requisitos da respectiva norma da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
 
 

Ou seja, o funcionamento do produto continuará garantido e o impacto em termos de vida útil pode ser considerado similar às condições atuais de mercado”.

 

Algumas montadoras estão conduzindo testes de durabilidade em veículos próprios e com a maior parte dos testes de durabilidade que estão sendo conduzidos pela indústria automotiva, tampouco houve sinalização de quaisquer problemas.

 

As montadoras que estão fazendo novos testes são Fiat (Brava Tjet e 2 Punto Tjet); FORD (Fusion 2.0 EcoBoost; Fusion 2.0 Hybrid; e Edge 3.5); GM (Camaro e  Malibu); VW (CC, Fusca, Golf, Jetta, Passat, Tiguan, Touareg, Passat Variant); Renault (Fluence GT); e Toyota (Prius).

 

A conclusão dos estudos realizados pela Petrobras e o estágio alcançado nos testes já realizados pelas montadoras ensejaram, no dia 13 de fevereiro, a assinatura de ofício conjunto das principais associações envolvidas com a questão (Anfavea e Unica).

 

No comunicado ao Governo, as entidades manifestam concordância com a alteração para 27% da mistura de etanol anidro à gasolina comum comercializada no País, preservando-se a gasolina Premium (de alta octanagem) com o teor de 25% de etanol anidro.

 

A Anfavea solicitou ao Governo Federal que fosse mantido o percentual de mistura de 25% na gasolina Premium (de alta octanagem) para abastecimento da frota de veículos importados de alta performance, até que fossem concluídos os testes de durabilidade nos veículos citados.

 

Trata-se de um mercado restrito que já utiliza este combustível, uma vez que são únicos veículos cujos fabricantes recomendam expressamente em seus manuais a utilização desta gasolina.

 

Fonte:
Ministério de Minas e Energia

Buscar Matérias

Por palavra-chave:

Na categoria:

Destaque Classificados

Anuncie aqui
Venda: R$ 0,00
Estado: XX
Cidade: XXX
Área: XXX
Quer ser visto?
Detalhes
POSTOSECONVENIENCIA@GMAIL.COM
- ANUNCIE - LINKS ÚTEIS - MAPA DO SITE - POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Copyright © 2017 - Postos e Conveniência
Desenvolvido por

PARCEIROS TOP